ANICT

Towards a sustainable research career with progression based on merit

Considerações sobre o processo de avaliação de investigadores no âmbito do Concurso Estímulo ao Emprego Científico Individual

A ANICT acompanhou com atenção o primeiro Concurso Estímulo ao Emprego Científico
Individual (CEEC), cujos resultados foram tornados públicos no passado dia 17 de
Setembro de 2018. Antes da audiência prévia, foram considerados 276 contratos para o
nível de investigador Júnior, 154 ao nível de investigador auxiliar, 66 investigador
principal e 4 de investigador coordenador, seguindo uma lógica proporcional dos
candidatos a cada um dos 3 primeiros níveis (exceção para o nível de investigador
coordenador).

Este concurso, que pecou pelo atraso significativo em relação ao anterior programa
Investigador FCT, apresentou algumas novidades:

  • O mérito absoluto do candidato passou a valer 70% da nota final;
  • A avaliação do mérito do candidato passou a ser mais subjetiva do que objectiva,
    evitando recorrer às métricas científicas.

Se o primeiro ponto apontava para uma menor taxa de insatisfação, já o segundo previa
o que se viu acontecer. Embora a ANICT não defenda uma avaliação curricular
meramente métrica, pois essa não consegue distinguir qualidade da quantidade, a
quase rejeição absoluta da utilização de métricas quantitativas revela-se um
grave problema em concursos com a tipologia do CEEC: quando existem milhares de
candidaturas que vão ser avaliadas individualmente por diferentes revisores externos, e
posteriormente essas avaliações são ponderadas por um painel, não é possível
garantir uma avaliação homogénea, mesmo dentro de cada painel. Este tipo de
mega-concursos difere drasticamente do típico concurso publico para integração na
carreia de investigação ou de docência, onde o mesmo conjunto de avaliadores vai
analisar todas as candidaturas específicas para uma determinada função e numa
específica área do conhecimento científico, onde será mais fácil avaliar a qualidade
dos referidos currículos.
Embora as métricas científicas possam apresentar algumas desvantagens, a ANICT
considera que para este tipo de mega-concursos é essencial voltar a incorporar este tipo
de análise, nem que seja numa primeira fase. Assim, a ANICT sugere que futuros
concursos do CEEC apresentem duas fases de avaliação, tal como aconteceu em
algumas edições do concurso IF. Uma análise métrica bem feita pode assegurar uma
justa avaliação preliminar dos milhares de candidatos, selecionado aqueles que são
claramente mais competitivos para uma segunda fase da avaliação. Nessa segunda fase,
com um significativo menor número de candidatos, já se pode proceder a uma avaliação
mais cuidada, assumindo pelo menos 3 avaliadores externos para cada candidato.
Seguramente, esta sugestão não resolve todos os problemas, mas minimiza situações
como as reportadas em vários órgãos de comunicação social nas últimas semanas.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: